Fossa de evapotranspiração

Publicado em 22 de junho de 2014

Você já deve ter ouvido falar que, somos o que comemos. Outros dizem que somos o que lemos, e nestes tempos de era digital, que somos o que vemos. E porque não dizer, somos o que bebemos! Afinal, 65% da massa do corpo humano é composta de água, sangue e outros líquidos. E, para manter este nível sempre bem regulado, também já é de conhecimento de todos que devemos ingerir cerca de dois litros de água por dia. E água de boa qualidade.
 
Moramos em uma cidade que felizmente tem quase sua totalidade do esgoto doméstico coletado e tratado antes de ser retornado aos rios. Porém, apenas na zona urbana. A outra metade da população de São Luiz, mais de 5 mil habitantes, vive espalhada em seu grande território rural, onde não há coleta e tratamento do esgoto. A maioria do que corre pelas tubulações das cozinhas e banheiros segue direto para os inúmeros rios, riachos e córregos sem tratamento algum. Da mesma forma como vários outros municípios ao nosso redor o fazem. Algumas poucas propriedades tem uma fossa negra, outras simples buracos no solo conhecidos como sumidouros, mas infelizmente, estas não são as melhores maneiras de se conter a contaminação do solo e consequentemente da água que bebemos.
 
Existem hoje diferentes maneiras de coleta e tratamento do esgoto doméstico, mais práticas, eficientes e de muito baixo custo em sua implantação. Uma delas é conhecida como fossa de evapotranspiração. Um nome complicado, mas de construção e funcionalidade muito simples. Construída com entulho e pneus velhos, esta fossa retém toda água do esgoto, que é eliminada através da evaporação das folhas de bananeiras, entre outras, plantadas na parte superior. O pouco material sólido restante no fundo, é eliminado pela adição de esterco de gado fresco com água, que deve ser despejado no interior da fossa de 3 em 3 meses. Dessa maneira, o que antes era jogado no solo e cursos d’água, é aproveitado como adubo por plantas, sem causar poluição ao meio ambiente.
 
Mais do que ser responsável pela água que devolvemos ao ambiente, devemos principalmente ser responsáveis pela água que oferecemos às outras pessoas.
Para conhecer o passo a passo da construção da fossa de evapotranspiração e material disponível, acesse os arquivos abaixo.
 
Texto e Foto Ângela Beatriz